sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

TRAGÉDIA DAS GUARIBAS: 86 ANOS DA BATALHA SANGRENTA


Escombros da casa de Chico Chicote, no Sítio Guaribas
Por Historiador Miran Basílio

A intitulada “ Tragédia das Guaribas” aconteceu no dia 1º de fevereiro de 1927 e terminou no dia 02 de fevereiro dia de Nossa Senhora das Candeias, na fazenda Guaribas de propriedade de Chico Chicote, localizada entre os municípios de Porteiras e Brejo Santo. O Episódio sangrento tratou-se de um ataque brutal e truculento feito a Chico Chicote, por três forças policiais.Uma do estado da Paraíba comandada pelos tenentes João Costa, uma do Estado do Pernambuco ao comando do tenente Arlindo Rocha e outra força policial do Estado do Ceará,comandada pelo tenente Zé Bezerra que,somente esta contava com 70 soldados, além da cabroeira do Sinhô Salviano(inimigo de Chico Chicote) e, João Gomes de Lucena (sobrinho de Chico Chicote e, também, seu inimigo ferrenho). Participaram do ataque a Chico Chicote 170(cento e setenta) praças e mais de 20 cabras.
Chico Chicote estava cortando manivas quando foi surpreendido pelo toque de avanço da força policial. O corneteiro não concluiu o toque tendo sido abatido por um tiro de um dos cabras de Chico Chicote , chamado Sebastião Cancão .

O acirrado tiroteio teve inicio na manha do dia 01 de fevereiro e prolongou-se até o dia 02,precisamente as duas horas da tarde, somando-se trinta e uma horas de combate.
Havia somente três combatentes ao lado de Chico Chicote, os cabras Manuel Caipora e Sebastião Cancão e o seu filho Vicente Chicote. Se achava em casa,sua esposa Dona Geracina (sobrinha do Coronel Basílio) e, sua filha Josefa, as quais permaneceram ao seu lado até o fim da luta, auxiliando o carregamento e resfriamento dos rifles.
Chico Chicote, convicto de sua derrota, determinou aos seus cabras que o abandonassem.Mané Caipora desobedeceu ao patrão respondendo-lhe: - Padim Chico eu sempre lhe disse que no lugar onde lhe matassem, o meu cadáver seria encontrado a duas braças do seu, agora chegou a hora de cumprir minha palavra. O outro cabra Sebastião Cancão, cumpriu o pedido de Chico Chicote e abandonou o reduto, tendo sido baleado, porém, conseguiu fugir.
Pelas 8 horas da manhã do dia 02, Mané Caipora foi atingido por uma saraivada de balas, ficando fora do combate.
Marcas da Batalha
Conforme escritos do Escritor Otacílio Anselmo, quando chegou à noticia a Brejo Santo, Manuel Tiburtino, Pedro Celião, Francisco Carlota, Vicente Benedito e Vicente Carlota, armaram-se e rumaram a galope para residência de Quinco Chicote ( então prefeito de Brejo Santo e irmão de Chico Chicote ). Lá chegaram, puseram-se a disposição para lutar em defesa de seu irmão. Em resposta, ao notável ato de solidariedade, eis o que disse Quinco Chicote:
Eu não darei um passo nesse sentido. Surpreendidos e decepcionados com essa atitude absolutamente estranha ao meio sertanejo, os devotados amigos de Chico Chicote, retornaram à Brejo Santo.
Os déspotas, comandantes militares e subordinados, aos berros, fizeram uma celeuma de pilhérias e palavrãoes.

O próprio João Gomes de Lucena, que se achava ao pé da calçada do casarão, assim gritou:
Tio Chiquinho, desta vez você está frito:
Rouco, Chico Chicote retrucou ao sobrinho inimigo... Se eu escapar desta, te furo o bucho com peia.
Por volta do meio dia, Chico Chicote recebeu um tiro no maxilar, continuando a reagir assustadoramente. Às duas horas da tarde, absolutamente exausto e, com apenas uma carga no cartucho, foi varado por uma descarga de fuzil na região torácica.
Num ato de banditismo, os facínoras ( soldados ), invadiram o casarão e iniciaram o violento saque, apoderando-se de jóias, dinheiro e objetos de valor. Tendo-se juntado á primeira onde de invasores, Sinhô Salviano, dirigiu-se ao quarto onde tombara Chico Chicote, ao defrontar-se com o cadáver, transpassou-lhe o tórax com brutal punhalada na axila esquerda.

GUARIBAS foi alvo de autêntico vandalismo pelo banditismo das forças policiais. Como resultado do ataque a Guaribas, houve a morte de mais de 27 policiais.
O Sepultamento de Chico Chicote aconteceu em Brejo Santo, às nove horas do dia 03 de fevereiro. Seu corpo foi velado na bairro Taboqueira ( hoje, avenida Coronel Basílio ), na residência de seu irmão Pedro Pereira.
O Truculento tenente José Bezerra, dez anos após o episódio das Guaribas, foi morto a golpes de facão e foice, no lugar mata dos cavalos, município do Crato, por um dos grupos fanáticos do Beato José Lourenço.
O Episódio Tragédia das Guaribas entristeceu e contrariou a população de Brejo Santo, pois, naquela época, as principais famílias constituíam um só bloco de parentes consangüíneos e afins.

Artigo gentilmente enviado por Dalvan Souza – Brejo Santo -Ce

2 comentários:

  1. sou sobrinha-neta de Sebastião Cancão,um dos cabras de Chico Chicote!

    ResponderExcluir
  2. sou bis neto de josé pereira e joaquina pereira da silva minha avó maria pereira da silva sairam pra bahia motivos esses guerra outros manoel pereira e joão pereira disseram que iam pra o goias não tem noticias deles nuca mais

    ResponderExcluir