terça-feira, 2 de novembro de 2021

PSICÓLOGA DO CARIRI EXPLICA QUE “SOFRER, CHORAR E CONVIVER COM A SAUDADE DE ALGUÉM FAZ PARTE DE VIVER O LUTO”

Como superar o luto e passar por esse período tão difícil? Perder alguém que amamos nunca será fácil, mesmo para as pessoas maduras ou que se dizem “fortes”. Nesta terça-feira, 02, é o feriado do Dia de Finados, o que para muitas pessoas é momento de oração, reclusão, visita ao túmulo de quem já se foi. Uma data para lembrar dos entes queridos e amigos que já partiram dessa vida para outro plano espiritual. Uma das coisas que o ser humano não tem domínio e que a ciência ainda não conseguiu reverter é a morte.

Os últimos meses vêm sendo mais difíceis para milhares de famílias que perderam parentes e conhecidos para a Covid-19, totalizando mais de 600 mil óbitos em apenas um ano e sete meses só no Brasil, em decorrência da doença ainda nova e pouco conhecida. Então, como lidar com a perda de forma menos sofrida, que é não podemos dizer uma forma “melhor”?

A psicóloga caririense, Janaína Batista, destaca que uma das respostas é vivenciar de fato o luto. O momento é composto por cinco fases: a negação, raiva, a barganha, depressão e aceitação. Logo o processo de luto varia e depende do grau de parentesco do ente querido, bem como da história de vida, além da forma que ela partiu.

A perda de uma pessoa é precedida de grandes picos de emoções, com fases que vão desde o isolamento, a momentos de raiva, dúvida e chateação. “Vá se entregando, chore, converse com amigos, pois não adianta fugir do assunto. É importante conversar sobre como era a pessoa e relembrar de momentos queridos”, disse Janaína.

É importante destacar que caso não haja melhoras e avanços, é importante procurar um profissional como psicólogo ou psiquiatra, que possa ajudar a pessoa a passar pelo momento da melhor forma possível ou da forma menos dolorosa e sem grandes sequelas.

Fonte: commonike.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário